Polícia Civil de Minas Gerais esclarece 100% dos homicídios em São Sebastião do Paraíso

SSP

Em um período aproximado de um mês, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) elucidou os seis homicídios registrados entre 5 de janeiro e 4 de fevereiro de 2020, em São Sebastião do Paraíso, Sul do estado. Até o momento, cinco pessoas já foram presas, incluindo prisões em flagrante e cumprimento de mandados judiciais. Conforme apurado, duas ocorrências estão relacionadas, sendo a mandante identificada e detida. As demais mortes se tratam de situações isoladas.
Os fatos tiveram bastante repercussão na cidade, considerando o número de casos em um período curto. O Delegado Regional, Fernando Bettio, destaca o empenho da equipe na apuração das ocorrências. “Foi possível dar uma resposta, por meio de uma investigação qualificada, na elucidação completa de todos os casos de homicídios registrados no ano de 2020, atingindo um percentual de 100% de apuração dos crimes violentos contra a vida”, destaca.

Mediante pagamento

Em entrevista coletiva nesta segunda-feira, o Delegado Vinícius Zamo, que preside os inquéritos policiais, detalhou o trabalho realizado. Chama a atenção que dois fatos ocorridos este ano, além de terem relação entre si, também têm a ver com outro assassinato de julho de 2019. “A mandante determinou, mediante paga, três homicídios em nossa região”, observa.

De acordo com as investigações, no primeiro homicídio, no ano passado, a vítima foi o próprio pai da suspeita de ter encomendado a morte, pagando R$ 5 mil aos executores. Posteriormente, em 5 de janeiro de 2020, um deles participou de outro caso, também a mando da mulher, vitimando um homem que teria furtado a propriedade rural da investigada. Para o cometimento do crime, o valor acordado foi de R$ 7 mil.

Por fim, foi morto um dos envolvidos nos casos anteriores. No último dia 4, o corpo estava amarrado com fios de cobre e parcialmente carbonizado. “Os levantamentos apontam que o homicídio ocorreu porque o mesmo estava querendo delatar os crimes cometidos por todos, se a mandante não lhe desse mais dinheiro. Ela teria pago R$ 10 mil ao seu comparsa em outros crimes, para matar o homem”, conta Zamo. Os envolvidos nos três casos foram presos.

Demais crimes

O primeiro homicídio do ano ocorreu em 5 de janeiro, quando um homem foi morto a facadas. Um casal suspeito confessou que matou a vítima após uma discussão e foi preso em flagrante. Outro crime motivado por um desentendimento resultou na morte de dois homens, após diversas agressões, no dia 30 do mesmo mês, no distrito de Guardinha. O investigado também foi preso em flagrante.

Em 11 de janeiro, o corpo de um homem foi encontrado, no bairro Veneza, com uma perfuração na nuca por disparo de arma de fogo. O suspeito já foi identificado pela PCMG e se encontra preso por tráfico de drogas. O inquérito policial está em tramitação para apuração da motivação do homicídio, bem como representação pelas medidas judiciais pertinentes contra o investigado.

 

FONTE: ASCOM-PCMG

Pin It